Voçorocas na Parede de Cratera de Impacto no Hemisfério Norte
NASA/JPL-Caltech/UArizona
Voçorocas na Parede de Cratera de Impacto no Hemisfério Norte
ESP_017405_2270
Inglês  

twitter 

FONDO
800
1024
1152
1280
1440
1600
1920
2048
2560

Esta imagem mostra o lado mais a leste de uma cratera de impacto em latitude média do hemisfério Norte.

Como muitas crateras em latitudes médias, esta apresenta voçorocas ao longo de suas paredes que são compostas de câmaras e canais. A origem destas voçorocas tem sido objeto de muito debate. Elas podem ter se formado pela ação da água, dióxido de carbono líquido ou fluxos granulares secos. A orientação destas voçorocas é interessante por que muitas crateras contem apenas estas feições em certas paredes, como aquelas orientadas com os pólos. A causa disso poderia ser mudanças em condições orbitais e diferenças em radiação solar ao longo de paredes específicas.

Muitas das outras feições observadas dentro e entorno desta cratera, entretanto, são indícios de um terreno rico em gelo, o que reforça a hipótese da formação pela ação da água, pelo menos no que diz respeito às voçorocas vistas nesta imagem. A mais notável destas feições é um terreno irregular que aparece dentro e no entorno da cratera. Este tipo de terreno tem sido interpretado como um sinal de escavação da superfície, talvez devido à sublimação do gelo abaixo da superfície.

Outro sinal de gelo é a presença de lineações paralelas e material enterrado no fundo da cratera, semelhante ao que é chamado de preenchimento concêntrico de cratera. Rachaduras lineares paralelas também são vistas ao longo da parede da cratera acima das voçorocas, o que poderia ser causado pela contração termal do material rico em gelo.

Todas estas feições juntas são evidências de material rico em gelo depositado nesta região durante condições climáticas diferentes que subsequentemente começou a derreter e/ou sublimar sob as condições atuais. Mais recentemente, depósitos eólicos se acumularam entorno da cratera como provam as cordilheiras paralelas que dominam a paisagem. Marcas de dust devils também são visíveis cruzando as cordilheiras.

Tradução: Thiago Statella

 
Data de aquisição:
13 abril 2010

Hora de Marte:
2:57 PM

Latitude (geocêntrica):
47°

Longitude (positiva a Leste):
90°

Altitude da nave espacial:
305 km

Escala original da imagem:
31 cm/pixel (com 1 x 1 binning) e objetos de 92 cm de lado são resolvidos

Escala projetada:
25 cm/pixel

Sistema de projeção:
Equirretangular (e o norte está localizado em alta)

Ângulo de visada:


Ângulo de fase:
49°

Ângulo zenital solar:
42°, e o Sol está localizado 48° acima do horizonte

Longitude solar:
77°, primavera do norte

JPEG
Branco e preto
projectado  sem projecção

Cor IRB:
projectado  sem projecção

Cor combinada IRB:
projectado

Cor combinada RGB:
projectado

Cor RGB:
sem projecção

JP2 PARA BAIXAR
Branco e preto:
projectado (1018 MB)

Cor IRB:
projectado (458 MB)

JP2 EXTRAS
Branco e preto:
projectado
(539 MB)
,
sem projecção  (442 MB)

Cor IRB:
projectado  (208 MB)
sem projecção  (378 MB)

Cor combinada IRB:
projectado  (262 MB)

Cor combinada RGB:
projectado  (267 MB)

Cor RGB:
sem projecção  (355 MB)
3D
Projectado, resolução reduzida (PNG)
JP2 para baixar


ETIQUETAS PARA OS PRODUTOS
Branco e preto
Cor
Cor combinada IRB
Cor combinada RGB
Produtos EDR

NB
IRB: infravermelho–vermelho–azul
RGB: vermelho–verde–azul


PRODUTOS FOTOGRÁFICOS
“arraste e solte” para HiView o clique para baixar


POLÍTICA PARA AS IMAGEMS
Todas as imagens deste site não tem limitações de uso. Elas são livres para o público e os meios de communicação. Quando possível, por favor incluir este aviso:
Imagem: NASA/JPL-Caltech/UArizona


ADENDO
O Jet Propulsion Laboratory da NASA consegue a sonda MRO. A câmera foi construída pelo Ball Aerospace & Technologies Corp., e seu funcionamento é realizado pela Universidade do Arizona.